23/02/2012

O dia em que mais uma história de encantar terminou

Já faz um ano que aconteceu o que escrevi neste post (apesar de eu só ter sabido dias mais tarde) e hoje quando a minha colega mo relembrou eu nem queria acreditar que já se tivesse passado todo esse tempo.
E um ano depois a vida dela continua numa indefinição permanente.
Como se perdoa uma traição? Perdoa-se? Esquece-se? Perdoa-se mas não se esquece? Já fui daquelas pessoas que dizia que quem ama nunca trai mas a vida e os anos vieram-me mostrar que não é tão linear assim. E atenção que eu nunca traí, mas apenas acho que num determinado momento se se conjugar uma série de factores qualquer pessoa pode cair e trair.
A minha colega continua a viver com o marido mas nunca nada voltou a ser igual e sente que não pode continuar assim. Não consegue deixar de pensar no que aconteceu, às vezes no meio de alguma discussão surge a acusação.
Mas pergunta-se diariamente se um erro cometido (mas que durou um ou dois meses) invalida 20 anos de relação. Se se acaba com uma história lindíssima (como a que eles sempre tiveram) por causa de um único erro.
Mas foi um erro que a magoou imenso, um erro que destruiu tudo aquilo em que ela sempre acreditou. E ela não sabe se há hipótese de reconstrução e às vezes nem sabe se quer porque sente que se está a trair a ela própria ao aceitar continuar com ele.
Ouço-a, vou-lhe dando a minha opinião mas também não sei o que pensar. Consigo perceber tudo o que ela sente mas não sei o que faria se fosse comigo.
E sinto-me triste, porque a história de amor deles era das mais bonitas que eu conhecia e há um ano atrás perdi ainda mais um bocadinho a esperança de ainda existirem amores eternos.


Geri

10 comentários:

  1. Realmente, aí está uma boa questão!

    Eu nunca traí e nunca perdoei uma traição, fosse um beijo ou uma queca, menos ainda uma relação de meses, ou anos!

    Contudo não posso condenar quem perdoa, quem luta por uma relação. Eu, que estou sozinho, parto do princípio que posso estar errado e que "os outros" podem e devem estar a fazer a coisa certa. Contudo, não consigo contentar-me com migalhas (confesso que já tentei mas) há uma força dentro de mim que exige reciprocidade e se há uma coisa nesta vida que deve ser "uma faca de dois gumes" é o respeito.

    Tenho uma ou duas pessoas muito próximas que metem e traem. Com o passar dos anos, do tempo, sei que só lhe consigo confiar partes da minha vida, quase ninguém me conhece na "totalidade" com uns partilho alguns segredos, alguns sentimentos, com outros partilho outros segredos e sentimentos, mas as pessoas que mentem e traem, servem pró social, para uns programinhas, mas não é com elas que conto nalguns momentos de fragilidade e quando preciso de confiar o que vai no meu coração.

    E falei de mim porquê, para fazer entender o meu ponto de vista.

    Numa relação séria, no mais profundo do seu íntimo, terão de ser apenas 2 e não 3, isto é, serão ele e ela... nunca ele, ela e as mentiras (de um, do outro, ou dos dois).

    Se não confiamos na pessoa com que partilhamos a nossa vida, ou nos adaptamos a uma nova realidade (tretas!!) ou mudamos a nossa vida.

    Beijinho*

    ResponderExcluir
  2. Ela vai acabar essa relação. É inevitável. Por mais que se queira perdoar, ninguém esquece. A dúvida vai infernizá-la, ela vai andar sempre a ver dúvidas em todos os lados, em cada 5min de atraso dele... Quando a confiança leva um encontrão já não se levanta.

    ResponderExcluir
  3. Agridoce: Pois...

    Confuskos: E o prémio para o maior comentário, até agora, cá do cantinho vai para: Confuskos!!! :)
    Gostei e concordo! O teu último parágrafo então traduz muito bem aquilo que penso.

    Raven: Pois não sei. Às vezes acho que ela vai terminar outras acho que não vai ter coragem para dar esse passo. Seja como for espero que ela consigo encontrar um equilíbrio dentro dela coisa que não tem conseguido neste último ano.

    ResponderExcluir
  4. Eu sou da opinião de que se deve acabar... inevitavelmente, volta a acontecer. Já tive isso dentro de casa e acredita que a segunda custou mais que a primeira. Enfim... nem sei que diga, não queria estar nesse lugar, mas eu não perdoaria. Mas isso é porque eu tenho muito pouca capacidade de perdão.

    ResponderExcluir
  5. Aquela parte da coragem para terminar uma relação... Uma relação de 20 anos?! É uma vida...
    Não é fácil, independentemente das circunstâncias...

    ResponderExcluir
  6. Podemos ouvir, aconselhar, e procurar entender... Contudo só quem vivencia a situação poderá decidir o que fazer. beijinho

    ResponderExcluir
  7. Isso é mesmo de lamentar... quando é uma relação forte, de muitos anos, deve-se pesar bem toda a história, antes de se terminar a relação.

    Já fui traída, já tentei perdoar e já me habilitei a ser novamente traída por ter perdoado. Hoje sinto-me incapaz de perdoar tal coisa. É uma total falta de respeito.

    Mas numa relação de 20 anos, com tantos altos e baixos, as coisas não podem ser assim lineares... é preciso tentar resolver os problemas antes de atirar uma história ao lixo.

    ResponderExcluir
  8. Ouvi há uns tempos alguém dizer que pensar que os grandes amores ultrapassam tudo, até uma traição, é um mito. Que os amores mais fortes são os que não conseguem sobreviver a uma traição. As relações mais 'bambas' claro, perdoam porque o amor não é realmente 'aquele amor'!... Não sei se assim é, nunca passei por nada assim, mas foram palavras que fizeram sentido p'ra mim!

    ResponderExcluir
  9. Puxas por mim, depois sai testamento!!

    Beijinho*

    ResponderExcluir

Estejam à vontade para comentar, cá estarei para responder!